Comunidade Evangélica Família Abençoada - CEFA  Pastores Paulino e Roseli Cordeiro
 Seja bem-vindo!Interesses |10 Mais | Buscar em  
 
CEFA
Quem somos?
Origem
Destino
Valores
Contato e Localização
Programação
 

 
Pastorais
Mensagens
Conselhos do Pastor
Estudos
Cuidados espirituais
Testemunhos
Sermões
 

 
Atividades
Cultos
Curso Para Casais
Grupos Familiares
Discipulado
Outras
 

 
Interesses
Feminino
Masculino
Jovem
Casamento
Infantil
Comunhão
Filhos
Família
 

  
 
 

 
BENÇÃO É PARA QUEM CRÊ – Números 13.25 a 14.38 (Pr. Paulino Cordeiro)
Sermão
Interesse de Comunhão

A posse da promessa está intimamente ligada à capacidade de crer e obedecer. Só obedece quem crê.

Baixe aqui o áudio deste sermão no formato MP3 - (tamanho de 6.8mb).

Números 14.8-9: Se o SENHOR se agradar de nós, então, nos fará entrar nessa terra e no-la dará, terra que mana leite e mel. Tão-somente não sejais rebeldes contra o SENHOR e não temais o povo dessa terra, porquanto, como pão, os podemos devorar; retirou-se deles o seu amparo; o SENHOR é conosco; não os temais.

O povo de Israel, embora possuíssem uma promessa e já estivessem libertos do jugo de escravidão no Egito, ainda continuavam com o coração de escravos.   

Seus corações estavam endurecidos pela incredulidade e falta de humildade, pois Deus os chama de "povo de dura cerviz" (Ex 32.9), não conseguiam ver a benção futura. Saíram apenas fisicamente porque os seus corações continuavam escravos no Egito.

01. Libertos, porém, incrédulos, com corações de escravos

Aquelas pessoas era o povo de Deus e o próprio Deus habitava no meio delas, mas não deixavam Deus entrar nos seus corações, achavam que Deus devia servi-las e não elas a Deus.

Moisés mandou doze homens da sua elite para espiarem a terra e confirmarem a benção prometida por Deus. Voltaram com as provas de que a terra era de fato muito boa, porém, mais outra vez se manifesta a incredulidade, pois, dez dos doze espias não creram na promessa de Deus, ainda pensavam como escravos.

Apenas dez medrosos levaram milhares de pessoas a perecerem no deserto: Ao cabo de quarenta dias, voltaram de espiar a terra, caminharam e vieram a Moisés, e a Arão, e a toda a congregação dos filhos de Israel no deserto de Parã, a Cades; deram-lhes conta, a eles e a toda a congregação, e mostraram-lhes o fruto da terra. Relataram a Moisés e disseram: Fomos à terra a que nos enviaste; e, verdadeiramente, mana leite e mel; este é o fruto dela. O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades, mui grandes e fortificadas; também vimos ali os filhos de Anaque. Os amalequitas habitam na terra do Neguebe; os heteus, os jebuseus e os amorreus habitam na montanha; os cananeus habitam ao pé do mar e pela ribeira do Jordão. Então, Calebe fez calar o povo perante Moisés e disse: Eia! Subamos e possuamos a terra, porque, certamente, prevaleceremos contra ela. Porém os homens que com ele tinham subido disseram: Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós. E, diante dos filhos de Israel, infamaram a terra que haviam espiado, dizendo: A terra pelo meio da qual passamos a espiar é terra que devora os seus moradores; e todo o povo que vimos nela são homens de grande estatura. Também vimos ali gigantes, e éramos, aos nossos próprios olhos, como gafanhotos e assim também o éramos aos seus olhos... Todos os filhos de Israel murmuraram... E por que nos traz o SENHOR a esta terra, para cairmos à espada e para que nossas mulheres e nossas crianças sejam por presa? Não nos seria melhor voltarmos para o Egito? E diziam uns aos outros: Levantemos um capitão e voltemos para o Egito - Números - 13.25 a 14.4.

O escravo tem um entendimento medíocre, contenta-se com as migalhas, tem medo de enfrentar os obstáculos e os inimigos.

A história se repete, hoje, multidões rebelam-se à Palavra de Deus por que dão ouvidos a medrosos e a escravos da incredulidade e da rebeldia.

02. Os incrédulos morreram no deserto sem receber a benção

Disse o SENHOR a Moisés: Até quando me provocará este povo e até quando não crerá em mim, a despeito de todos os sinais que fiz no meio dele?  Com pestilência o ferirei e o deserdarei; e farei de ti povo maior e mais forte do que este - Números 14.11-12.

Conforme versículos seguintes, vemos que Moisés orou com ousadia, pelo livramento dos rebeldes, mas Deus não é parcial na Sua Justiça e respondeu: ... Segundo a tua palavra, eu lhe perdoei. Porém, tão certo como Eu vivo, e como toda a terra se encherá da Glória do SENHOR, nenhum dos homens que, tendo visto a minha Glória e os prodígios que fiz no Egito e no deserto, todavia, me puseram à prova já dez vezes e não obedeceram à minha voz, nenhum deles verá a terra que, com juramento, prometi a seus pais, sim, nenhum daqueles que me desprezaram a verá - Números 14.20-23 (14.28-35).

03. Os incrédulos, que induziram outros à rebeldia, morreram de praga perante o SENHOR

Deus reserva ira e condenação contra os rebeldes e que conduzem outras pessoas à rebeldia.

Os homens que Moisés mandara a espiar a terra e que, voltando, fizeram murmurar toda a congregação contra ele, infamando a terra, esses mesmos homens que infamaram a terra morreram de praga perante o SENHOR. Mas Josué, filho de Num, e Calebe, filho de Jefoné, que eram dos homens que foram espiar a terra, sobreviveram - Números 14.36-38.

04. Os Crentes e obedientes herdam a benção

Dos doze espias vemos que apenas dois haviam tomado posse da libertação, Josué e Calebe, pois não tiveram medo dos gigantes, estavam crentes de que Deus cumpriria o que prometeu.

E Josué, filho de Num, e Calebe, filho de Jefoné, dentre os que espiaram a terra, rasgaram as suas vestes e falaram a toda a congregação dos filhos de Israel, dizendo: A terra pelo meio da qual passamos a espiar é terra muitíssimo boa. Se o SENHOR se agradar de nós, então, nos fará entrar nessa terra e no-la dará, terra que mana leite e mel. Tão-somente não sejais rebeldes contra o SENHOR e não temais o povo dessa terra, porquanto, como pão, os podemos devorar; retirou-se deles o Seu amparo; o SENHOR é conosco; não os temais - Números 14.6-9.

Conclusão

Só existem duas categorias de pessoas, as escravas do medo e as que enfrentam todos os obstáculos para herdarem a benção prometida por Deus.

Qual tem sido a minha motivação, a escravidão pelo medo de enfrentar os inimigos ou a libertação que conduz à vitória?

No deserto, o povo preferiu dar ouvidos a dez covardes medrosos do que a dois valentes fiéis.  

Temos obedecido ao que Jesus e seus apóstolos nos ensinam ou temos cedido aos covardes apelos do mundo?     

Se você citar a nossa autoria (Paulino Cordeiro) e nosso site (http://www.familiaabencoada.org.br/) poderá pregar na sua Igreja ou publicar em outros Sites. Dê bom testemunho para poder abençoar, seja fiel.

Paulino Cordeiro - Pastor da CEFA - Comunidade Evangélica Família Abençoada - Sermão compartilhado em 16.08.2008 e 13.01.2013 - noite.

 

 
Links relacionados
· Mais sobre Interesse de Comunhão
· Notícias por paulino


Mais lidos: Interesse de Comunhão:
A IMPORTÂNCIA DA CEIA DO SENHOR - Marcos 14.22-26 (Pr. Paulino Cordeiro)

 

 
Opções

 Imprimir  Imprimir

 Enviar para alguém  Enviar para alguém

 

 
Hoje!
Não há histórias publicadas hoje.
 

 
Clique!









 

 
Já leu?

Interesse Feminino

·Visão de Fé para a Esposa (Pr. Paulino Cordeiro)
 

Certificado de registro da marca processo n.: 904102963
Todas as mensagens devem citar a fonte. Fale conosco antes de divulgar.
(41)3078-7940 / 8418-2586 cefa@familiaabencoada.org.br

Site baseado no software livre PHP-Nuke - Tempo para gerar esta página: 0.036 segundos