EU SOU - João 14.1-6

Pr. Paulino Cordeiro | 25-11-2008

Na Velha Aliança ou Antigo Testamento, Deus habitava no meio do povo através do Tabernáculo, mas, chegou o tempo em que o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de Graça e de Verdade, e vimos a sua Glória, Glória como do Unigênito do Pai.

Deus apresentou-se como homem na pessoa de Jesus, e João Batista anunciou e confessou essa Verdade: Viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! - João 1.29.

Deus, na pessoa de Jesus, concedeu oportunidade de livre acesso a Sua Presença:  Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o Caminho, e a Verdade, e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por Mim - João 14.6.

01. Eu Sou o caminho - Átrio

No Antigo Testamento, tempo de Moisés, só havia um Caminho que reconduzia os pecadores a Deus, o Atrio. Ali, um sacerdote, purificado na Bacia de Bronze, recebia o pecador e sua oferta pelo pecado. 

A primeira coisa vista, pelo pecador arrependido, era o Altar de Bronze, onde eram queimados os sacrifícios ou holocaustos pelo pecado.

O Altar de Holocaustos simbolizava a cruz do Calvário. No Altar acontecia a morte de animais em vez de morrerem os pecadores; na cruz do Calvário aconteceu  a morte do Cordeiro de Deus em vez de serem crucificados os pecadores. Hb - 9.15 - 22; Hb 10.1-10

Jesus é o Caminho para o Céu, pela morte substitutiva, pois, sendo que um animal morria em lugar do pecador, Jesus morreu na cruz por todos os pecadores. 
        No Atrio, também, encontramos a Bacia de Bronze ou lavatório, simbolizando a purificação e a santificação dos pecadores. O Sumo Sacerdote só poderia passar pelo Santo Lugar e entrar no Santíssimo, levando sangue e estando purificado com a água da Bacia de Bronze (Hb 10.19-22 ; Jo 15.3).

Então, o Atrio  aponta para o Sacrifício de Jesus e se nos identificarmos com o Cordeiro de Deus crucificado, teremos o perdão dos pecados, seremos purificados pela Sua Palavra e estaremos crescendo na santificação, com passos certos no Caminho da Vida eterna.

02. Eu Sou a verdade - Santo Lugar

No Santo Lugar, a primeira coisa vista pelos sacerdotes era a Mesa da Proposição, de ouro puro, apontando para Cristo como a Verdade  que restaura a nossa comunhão com Deus e Sua Igreja, mas, também, é a nossa provisão ( Jo 6.35-38 e 48-58)

A seguir, virando-se, estavam de frente para o Candelabro de ouro puro, apontando para Cristo como a Verdadeira luz do mundo (mundo significa trevas - 1 João 5.19). João 8.12 afirma que se andarmos na Luz de Jesus não andaremos nas trevas e passaremos a ser luz para o mundo  (Mateus 5.14-16).       

No Santo Lugar, ainda acontece algo tremendo, é o momento de queimar incenso no Altar de Ouro puro, simbolizando a intercessão de Cristo: 1 João 2.1  Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo.  (intercessão de Jesus Hb - 7.25; Rm - 8.34)

Vemos que Jesus é a Verdade que conduz os convertidos à comunhão com Deus Pai e com a Igreja; que o mundo está nas trevas, mas, seguindo ao SENHOR Jesus teremos a Verdadeira Luz; e que se pecarmos, Jesus está a interceder por nós junto ao Pai.

3. Eu Sou a vida - santíssimo lugar ou Santo dos santos

O Sumo Sacerdote, para chegar na presença de Deus, no Santíssimo, necessariamente teria que passar pelo átrio, lugar de perdão e purificação; pelo Santo Lugar, onde exercia a comunhão com Deus, com os demais sacerdote e intercedia por si e pelos outros; finalmente, atravessava uma cortina para entrar no Santíssimo Lugar, onde habitava o próprio Deus, a Vida.

Arca da Aliança, que era toda de ouro puro, continha no seu interior as tábuas da Lei, a vara de Arão que floresceu e uma urna de Maná; e era fechada com uma tampa, também, feita de ouro puro,  com dois querubins, formando uma peça única, chamada propiciatório. A Arca simbolizava a presença e a Justiça do Deus que faz alianças com Seu Povo.

A vida do Sumo Sacerdote e de todo o Povo de Deus era preservada mediante a oferta do sangue de animais perfeitos e puros.  O Sangue do sacrifício era a aspergido, pelo Sumo Sacerdote, no propiciatório como oferta para remissão dos pecados do povo (Mateus 1.21). É através do sangue de Cristo que somos perdoados dos nossos pecados, pois, Cristo é a nossa propiciação.

Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados - 1 João 4.10.

Era sobre o propiciatório que Deus manifestava a Sua Glória. Isto significa que através do Seu Filho - o maior e mais perfeito Tabernáculo - e do Seu sacrifício, Deus revela-se ao homem - Hebreus 9.11-14 e 23-25

 Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado - 1Jo 1.7.

Conclusão

 A expressão "ninguém vem ao Pai senão por Mim", indica a eternidade de Jesus, pois, Ele e o Pai são um; Ele sempre esteve no Pai e o Pai Nele.

 Muitos falsos Cristos afirmam, eu sou isto, eu sou aquilo, mas somente Jesus que recebeu toda a autoridade pode afirmar: Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por Mim.

 Jesus cumpriu a Lei e os Profetas, basta obedecermos a tudo o que Ele manda para recebermos a Salvação.

 Confesse a Jesus como SENHOR, creia que Deus O ressuscitou dentre os mortos, e serás salvo (Romanos 10.9-10)

            Pr. Paulino Cordeiro - 23.11.2008 - noite