VIVENDO EM COMUNHÃO - 1ª Coríntios 12

| 04-08-2008

Nossos irmãos, no início da Igreja Apostólica, no idioma Grego, definiam comunhão com a palavra Koinonia que resume a idéia de "associação para o bem".

Pertencemos uns aos outros quando nos posicionamos na comunhão dos santos. Comandados por Cristo nos associamos para o bem, mantemos comunhão uns com os outros e com Deus Pai.

01. Todos nós somos usados por Deus - v.7-11; 14-20; 28-30

Deus estabeleceu uma ordem na Igreja, sendo Cristo a Cabeça, depois os Ministérios e por último os Dons.

a)Ministérios são para dar direção nos serviços da Igreja:

A uns estabeleceu Deus na igreja, primeiramente, apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres; depois... - v.28-30 e Efésios 4.11-12.

E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo - Ef 4.11-12.

b) Dons são serviços para suprir as necessidades da Igreja:

Primeiramente precisamos entender que todos somos soldados e como tais devemos cumprir ordens, pois, somos treinados para este fim, recebendo a capacitação por meio de Dons - v.7-11 e 14-20.

Nos versículos 7-11 vemos a relação dos Dons básicos, mas o Espírito Santo distribui muitos outros Dons conforme a necessidade local (At 20.35; Rm 12.8; 1ªCo 12.28; 2ªTm 2.2-16)

Nos versículos 14-20 vemos que Deus capacita a todos para que cada um contribua com algum serviço: Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos. Se disser o pé: Porque não sou mão, não sou do corpo; nem por isso deixa de ser do corpo. Se o ouvido disser: Porque não sou olho, não sou do corpo; nem por isso deixa de o ser. Se todo o corpo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se todo fosse ouvido, onde, o olfato? Mas Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprouve. Se todos, porém, fossem um só membro, onde estaria o corpo? O certo é que há muitos membros, mas um só corpo.

02. Vivendo em unidade, sem acepção - v.21-23

Assim como todos os membros do corpo são importantes para a sobrevivência, todos os verdadeiros Crentes são de igual valor, na Igreja, para a obra de Deus.

Na Igreja do SENHOR Jesus, rasgamos os diplomas e nos transformamos em serviçais, cada um trabalhando naquilo que o Espírito Santo capacitou, obedecendo aos princípios de autoridade estabelecidos por Deus.

Não podem os olhos dizer à mão: Não precisamos de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não preciso de vós. Pelo contrário, os membros do corpo que parecem ser mais fracos são necessários; e os que nos parecem menos dignos no corpo, a estes damos muito maior honra; também os que em nós não são decorosos revestimos de especial honra - v.21-23.

a) Convivendo com pessoas diferentes, mas em unidade - v.12:

Ora,assim como o corpo é uma unidade, embora tenha muitos membros, e todos os membros, mesmo sendo muitos, formam um só corpo, assim também com respeito a Cristo.

b) Convivendo com pessoas diferentes, mas em igualdade - v.13:

Pois em um só corpo todos nós fomos batizados em um único Espírito: quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um único Espírito.

03. Pertencemos uns aos outros - v.24-26

Mas os nossos membros nobres não têm necessidade disso. Contudo, Deus coordenou o corpo, concedendo muito mais honra àquilo que menos tinha, para que não haja divisão no corpo; pelo contrário, cooperem os membros, com igual cuidado, em favor uns dos outros. De maneira que, se um membro sofre, todos sofrem com ele; e, se um deles é honrado, com ele todos se regozijam. Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo.

Conclusão

Só viverei a verdadeira comunhão como filho ou filha de Deus se aplicar estes princípios no meu comportamento diário.

Jesus tomou a forma humana e morreu na cruz para restaurar a comunhão entre os Crentes e com Deus. Foi por esta razão que Ele, na última Páscoa, ordenou que a Santa Ceia fosse celebrada sempre, em Sua honra, até o dia do Juízo Final.

Para refrescar a nossa memória, Ele instituiu que o pão representaria a Sua carne rasgada na cruz e o vinho representaria o Seu sangue derramado para selar a Nova Aliança.

Pr. Paulino Cordeiro - 03.08.2008 - noite