BARREIRAS – Lucas 4.14-30

| 05-03-2009

Jesus, o maravilhoso Salvador, no poder do Espírito Santo, por onde passava comovia as pessoas, muitos eram salvos, mas, quando pregou aos seus queridos conterrâneos, ali encontrou serias barreiras.  

(Baixe aqui o áudio deste sermão no formato MP3 -  tamanho de 3.92Mb).

A sinagoga estava cheia de pessoas, porém, as pessoas estavam cheias de barreiras quanto ao cumprimento das profecias Messiânicas na pessoa de Jesus, o Filho do carpinteiro.

01. Barreiras para aceitar a Palavra profética - v.16-21

Aquele povo conhecia muito bem a Lei e os Profetas, mas, eram teóricos, ritualistas e incrédulos; este modo de viver constituía uma terrível barreira que impedia receber a Salvação por fé.

Ficaram maravilhados quando Jesus leu o Profeta Isaías, entretanto, quando Jesus anunciou ser o Ungido (o Cristo, Messias) não conseguiram transpor as barreiras da fé teórica, do ritualismo legalista e da incredulidade cravados nas suas almas.  

Muitos crentes acham difícil ocupar o seu lugar na igreja local porque as barreiras ainda não foram derrubadas.  Infelizmente existem muitas Igrejas cheias de pessoas vazias, não têm prazer e entusiasmo pelo Santo Serviço.

A sinagoga estava cheia de hipócritas, crentes vazios!

A nossa Comunidade está cheia de Crentes cheios do Espírito Santo, sedentos de Jesus e do serviço santo?

02. Barreiras com a pessoa do pregador profético -v.22

Todos lhe davam testemunho, e se maravilhavam das Palavras de Graça que lhe saíam dos lábios, e perguntavam: Não é este o filho de José?

As pessoas hipócritas e vazias, mesmo achando maravilhosas as Palavras, procuram um defeito no pregador profético.

Enquanto estavam na teoria, tudo ia muito bem, estavam maravilhados, pois eram admiradores do profeta Isaías; todavia, quando Jesus anunciou ser Ele o Ungido de Deus, o Redentor da Nação de Israel, logo se levantou a barreira do preconceito: Não é este o filho de José?

A barreira do preconceito pessoal foi levantada contra o Profeta Jesus, pois, questionavam ser Ele um homem comum, o filho do carpinteiro, alguém que cresceu entre eles.  

Quando você começa a achar defeitos no pregador, quanto a sua origem, aparência, vocabulário e outros, na verdade está aceitando barreiras lançadas pelo maligno para roubar a Palavra profética.

Disse-lhes Jesus: Sem dúvida, citar-me-eis este provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo; tudo o que ouvimos ter-se dado em Cafarnaum, faze-o também aqui na tua terra. E prosseguiu: De fato, vos afirmo que nenhum profeta é bem recebido na sua própria terra - 23-24.

Com a afirmativa "nenhum profeta é bem recebido na sua própria terra" Jesus estava falando a respeito da dureza de coração do povo de Israel que maltratava os seus profetas, mas isto não se aplica ao pregador profético da Igreja do Senhor Jesus.

03. Barreiras para aceitar o profeta conhecido - v.25-30

Jesus afirma que quando os da família da fé não quebram as barreiras e não abrem seus corações as bênçãos são derramadas sobre os estrangeiros.

Na verdade vos digo que muitas viúvas havia em Israel no tempo de Elias, quando o céu se fechou por três anos e seis meses, reinando grande fome em toda a terra; e a nenhuma delas foi Elias enviado, senão a uma viúva de Sarepta de Sidom. Havia também muitos leprosos em Israel nos dias do profeta Eliseu, e nenhum deles foi purificado, senão Naamã, o siro - v.25-27.

Jesus está exemplificando que as pessoas da família da fé, aquelas que têm intimidade com os homens de Deus, perdem muitas bênçãos porque deixam de olhar para o pastor como um profeta de Deus. A benção é concedida a quem recebe os ministros de Deus, foi o que aconteceu com a viúva de Serepta e com Naamã, dois estrangeiros que receberam o profeta e obedeceram, e foram abençoados.

 Estar perto dos servos de Deus muitas vezes impede a benção, por quê? Não deveria ser ao contrário, facilitar a benção?

Aquelas pessoas da sinagoga receberam a Verdade Profética como ofensa, por quê?

Conclusão

Muitas vezes a benção está diante de nós, basta abrirmos a mão e o coração, mas a perdemos por causa da cegueira espiritual, por falta de obediência ao que os pastores pregam.

O Verbo estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio Dele, mas o mundo não O conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não O receberam.  Mas, a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome, Jesus - João 1.10-12.

Quem não recebe a Palavra, não recebe ao SENHOR Jesus.

Paulino Cordeiro - Pr. da CEFA - Família Abençoada - 01.03.2009 - noite